Culto dia 30 de Agosto de 2015 – Pr. Evandro Dentee

evandro14-150x150 
Atitudes  que fazem a diferença

Texto: 2 Crônicas 26.1-15
Comentário: Uzias foi o décimo rei de Judá (Reino do Sul). Tinha dezesseis anos quando assumiu o trono.  Sua vida pode ser resumida assim: sucesso  – soberba – juízo (Pv.16.18).  Nesta mensagem porém, vamos nos fixar apenas no período bom do seu reinado, quando ele andou na presença de Deus. Nesse tempo ele não somente foi abençoado como também  foi um grande instrumento de benção para seu povo.  É isso que também devemos  buscar e, nesse sentido a vida Uzias nos ensina importantes lições:  I – Determine buscar a Deus : ( v.1-8)  Certamente inspirado no exemplo dos seus pais, Uzias tomou a melhor decisão. É na decisão de buscar a Deus que começamos a derrotar nossos inimigos. (Sl 27. 3-6, Is. 43.11-13, Jr.29.13-14); II –Mexa-se: (V.9-11)  Quem busca a Deus deve preparar-se para agir. Uzias não foi somente um visionário, mas um homem de ação, um grande empreendedor.  Foi assim que seu reino alcançou tamanha dimensão.   Quando estamos disponíveis a Deus, Ele nos envolverá nos Seus projetos (1 Co. 3.9); III – Não baixe a guarda:  (v. 11-15) Uzias tinha uma visão de longo prazo. Mais que manter suas conquistas, mais que marcar território, ele  se fortalecia para as batalhas que ainda poderiam vir.  Junte-se a Deus para preparar o seu futuro (Hb. 10.39, Pv. 18.16, Ef. 6.10-17). CONCLUSÃO: A expressão “até que”, ( v. 15) demonstra que Deus quer que tenhamos alvos de fé e que sejamos perseverantes neles,  “até que”  se cumpram. Aleluia!

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)Qual é sua tendência: Buscar a Deus antes de iniciar um projeto ou pedir socorro?
2º)O que é mais sobrenatural: Uma direção de como  agir ou um milagre pronto?
3º)Futuro: Em que medida preocupar-se e em que medida não preocupar-se?
4º)Continue a frase: “Vou perseverar até que………………………………………………..”
EVANGELISMO E VISÃO: (Buscando os perdidos)

As verdades do Velho Testamento não podem ser levadas ao pé da letra. Naquele tempo, o reino espiritual estava ainda em parte inserido  dentro de um reino terreno, que era a nação de Israel. Agora em Jesus, o projeto de Deus não conhece mais limites geográficos e nem precisa se utilizar de armas carnais. (2 Co 10.4).  O Reino agora se expande e se preserva nos corações.  Então, esse deve ser o nosso foco! *Entretanto, buscar a Deus, pôr-se em movimento, ser previdentes e perseverantes, são  atitudes que continuam fazendo a diferença!

Culto dia 23 de Agosto de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Resistindo ao espírito do anti-Cristo

Texto: 1 João 2.18-27
Comentário: A última hora, ou o fim dos tempos, começaram com a inauguração da era da graça (Atos 1.6-8). Ao mesmo tempo que o Evangelho é anunciado às nações e a Igreja se prepara para a volta de Jesus, satanás quer preparar o mundo  para a manifestação do anti-Cristo (2 Tes. 2.7-8). Assim, tanto a Igreja Primitiva quanto a Igreja contemporânea enfrentam uma luta semelhante. A nós, porém, cabe discernir o próprio tempo (Rm. 13.11). É disso que vamos tratar hoje: I – Os sinais no mundo: A instabilidade econômica, a insegurança social, a corrupção, o terrorismo, a decadência moral, as alterações climáticas, levarão o mundo a desejar um governo global. Quando nada mais funcionar as pessoas irão clamar por um “herói” e esse “herói”, será o anti-Cristo; II – Os sinais na Igreja: Apostasia é a negação da fé (v.19). a)Há um espírito de infidelidade e de quebra de alianças. As Igrejas novas e renovadas estão sendo seduzidas por sinais, novas revelações e culto a líderes.(Mt. 14.11, Ap. 13.13-15) As Igrejas tradicionais, estão sendo tomadas pelo liberalismo teológico e pelo humanismo, preocupando-se mais com questões sociais e ecologia do que com a salvação; IIIº) – As nossas defesas: a)Permanecer na Palavra revelada, pois é a nossa segurança (v. 20-23, Gl.1.6-8), b)Preservar a mensagem da salvação eterna, pois é a nossa grande promessa (v.25-28), c)Perseverar na prática da justiça, pois é a força do nosso testemunho,  a prova da nossa entrega e  a semente do nosso galardão(v. 29, Ap.22.11).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º) O que você sente ao considerar que podemos estar próximos do fim?
2º)Na sua opinião a maior ameaça à Igreja vem de dentro ou de fora? Por quê?
3º)Quais as consequências que a quebra de alianças produz na vida dos cristãos?
4º)Galardão e justiça: O que essas palavras te dizem?
5º)Algo especial que você gostaria de compartilhar sobre o tema?

EVANGELISMO E VISÃO:
Para o verdadeiro cristão, pouco importa se estamos no início, no meio ou no fim do fim. Há uma mensagem que precisa ser ouvida, crida, vivida e anunciada da qual depende a salvação de todos, em todos os tempos e circunstâncias. Então, enquanto tivermos vida, vamos vive-la para Deus, anunciando a mundo que “Jesus é a opção da vida! Aleluia!!!

Culto dia 16 de Agosto de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Ajustando o foco!

Texto: 1 Jo. 2.15-17
Comentário: Nas mensagens anteriores, sobre a primeira carta de João vimos aspectos essenciais para fundamentar o discipulado de Cristo, a fim de que  alcancemos a maturidade. O alvo de Deus é que todo “filhinho” se torne um “pai” espiritual. Somos gerados em Cristo para a maturidade. Para isso é necessário, do começo ao fim, que tenhamos um olhar muito atento para que não nos desviemos do alvo. Deus nos ama e quer cumprir seu projeto para conosco, contudo temos muitos impedimentos, dentro e fora de nós que podem atrapalhar nossa caminhada. É disso que queremos falar hoje:
1º)O problema mundo: (v.15) Por causa da queda, há uma dupla realidade que envolve o mundo. O mesmo cenário que reflete a glória de Deus, também se tornou palco de uma grande batalha pela alma humana. Um sistema diabólico tenta fazer com o que o homem viva sem Deus. Esse sistema já está em si mesmo condenado (Ef.2.1-3, Ec.5.8-16);
2º)O problema homem: (v.16)Não pareceria difícil perceber a ilusão desse sistema, mas temos um inimigo interno que cega nossa visão: Nosso coração é enganoso e corrupto,  criando desejos destrutivos, desequilibrados, potencializados para o mal: a)Nosso corpo pede aquilo que nos mata, b) nossos olhos cobiçam o que não nos pertence, c)Nosso ego quer sempre ser o centro das atenções (Jr. 17.9, Mt.6.22-23, Gl. 5.17, Ec.4.4) *São esses desejos que a Bíblia nomeia de concupiscências;
3º)A solução de Deus: (v.17)Precisamos eleger quem comandará a nossa vida, pois não podemos servir a dois senhores  (Mt.6.24). E quanto ao mundo, podemos nos utilizar dele, mas dentro dos critérios e das medidas da Palavra de Deus, fixando sempre nossos olhos na eternidade.  (1 Co.7.29-31).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)Você concorda que nossa tendência é  sempre ao exagero?  Cite exemplos.
2º)O modo como você tem ocupado sua vida está dentro de um equilíbrio saudável?
3º)Você percebe o “espírito do mundo” agindo nas Igrejas? Como?
4º)O que você faria diferente se você soubesse o que sabe hoje?
5º)Algo especial que você gostaria de compartilhar sobre o tema?

EVANGELISMO E VISÃO: O verdadeiro evangelismo não é apenas falar da Palavra de Deus, mas convidar as pessoas a virem conosco para conhecer o Jesus que estamos seguindo. Se nossa palavra e conduta forem convincentes,  é provável que elas virão e então  verão por si mesmas a Jesus. (Ler João 1.43-49)

Culto dia 02 de Agosto de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Edificando a família de Deus

Texto: 1 João 2.12-14
Comentário: O tema central da carta da primeira carta de João é o amor. Não um amor contemplativo, mas um amor manifestado através de atitudes práticas: “Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade”.(João 3.18) Por isso, ele se dirige à Igreja como sendo uma família, o que de fato somos. (Ef. 2.19) Ser família, traz algumas implicações importantes: 1º)A necessidade de crescimento: A família é o lugar que Deus ordenou para que o ser humano se multiplicasse. Na Palavra de Deus, filhos sempre são uma benção e a família de Deus deve se empenhar para ter muitos filhos espirituais. (Sl. 127.3-5, Rm. 8.29, Lc. 14.23); 2º)A necessidade de preservar e transmitir a nossa genética espiritual: Num mundo que está negando todos os valores cristãos, tanto na família biológica, quanto na Igreja, temos a responsabilidade de preservar e passar às próximas gerações a mensagem pura do Evangelho.  (Fp.2.14-16); 3º)A necessidade de criar um ambiente impregnado da presença de Deus: A Igreja é a nossa segunda família e para muitos, até mesmo a primeira. (Sl. 68.6) Vivendo então como uma grande família, devemos fazer dela um lugar de amor, espontaneidade, acolhimento, onde todos possam se sentir felizes e úteis. (Ef. 4.15-15, 1 Co.12.25-26)
4º)A necessidade de que cada um conheça o seu  lugar:  a)Os filhinhos, recém convertidos, devem se alegrar pelo perdão dos seus pecados e pela certeza do amor do pai; b)os jovens devem se alegrar pelo fato de já terem conquistado vitórias sobre o pecado e o Diabo com isso já terem adquirido força espiritual; c)os pais devem dar segurança e direção aos jovens e filhinhos, pois já estão maduros e aptos para liderar e cuidar de vidas.  E todos, como filhos de Deus, devem continuar crescendo.

QUESTÕES PARA RELFEXÃO:
1º)Diante das tantas mudanças que estão acontecendo na sociedade, como você imagina as famílias cristãs e as Igrejas daqui há vinte anos?
2º)Como uma Igreja pode crescer preservando  a qualidade?
3º)Você tem se sentido em  casa na Igreja? Qual é a sua contribuição para que a Igreja seja cada vez mais um lugar de acolhimento e liberdade no Espírito?
4º)Você se vê como filhinho, jovem ou pai? Essa condição é coerente com o seu tempo de vida cristã?

EVANGELISMO E VISÃO: Cada vez fica mais evidente que a Igreja em Células é a visão correta para enfrentar os desafios da nossa época. Uma Igreja onde as  pessoas somente se  encontram eventualmente, sem vínculos profundos de relacionamento, não pode alcançar o seu propósito bíblico. Ser Igreja é ser família e ser família é  ter uma vida em comum. E também como como acontece numa família saudável, todo filhinho deve crescer para tornar um jovem saudável, todo jovem deve preparar-se para a paternidade espiritual e todo pai espiritual deve viver sacrificialmente por sua família.

Culto dia 26 de Julho de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Uma nova construção

Texto: 1 João 2.7-11
Comentário: Nesta carta, o apóstolo João usa frequentemente as figuras de luz e trevas, como realidades que se excluem mutuamente. Assim, se queremos ter e preservar a comunhão com Deus o problema do pecado precisará ser constantemente tratado. (1 Jo. 1.8 – 2.2). Quando nos entregamos a Jesus, nossa comunhão com o Pai e restabelecida –(Rm 5.1).  Entretanto, a conversão é apenas o estágio inicial de uma nova construção. Em cristo, legalmente já somos luz, mas na prática precisamos fazer valer essa nova realidade (Ef. 5.8). O texto fala de três princípios essenciais para que esse projeto tenha sucesso em nossa vida: 1º)O princípio da permanência:  (v.1) Quem abandona a Palavra, abandona a Cristo. Os fundamentos de uma casa não podem ser removidos. (Ef.2.18-20) *Precisamos cuidar com os pequenos desvios porque somados e repetidos, podem nos levar ao naufrágio espiritual. Entenda que o novo mandamento será sempre o velho mandamento renovado em nosso espírito; 2º)O princípio da preponderância: (v.8) À medida que avançamos na vida com Cristo, a luz deverá preponderar sobre as trevas. Curados espiritualmente, precisamos viver como aleijados que agora andam e como cegos que agora vêem. (Jo 5.1-8, 9.1-12) A identidade do cristão nunca pode ser determinada apenas pelo “não ser”, porém muito mais pelo “novo ser”. (Gl. 1.23); 3º)O princípio da direção: (v. 9-11)*Andar na luz é o andar em comunhão com Deus e na direção das pessoas (Lc. 17.21) Se desistirmos das pessoas, desistiremos do Reino e do projeto de Deus para conosco. (Mt. 5.16).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)Quais alguns cuidados constantes que devemos ter para não sair dos fundamentos?
2º)Após a conversão, muitos se fixam demais no “não ser”, o que pode criar um vácuo existencial. Você passou ou está passando por isso? Como superar essa fase?
3º)Por que o ódio tem esse poder tão grande de cegar as pessoas?  Você já enfrentou ou está enfrentado lutas nesse sentido?  Como superar os sentimentos negativos?
4º)Se você estivesse procurando uma Igreja, quais as características que você mais gostaria de encontrar nela?

IV – EVANELISMO E VISÃO: Vivemos na era do descartável, onde cada vez mais as pessoas vão se tornando meras mercadorias. Assim, é exatamente neste tempo que a Igreja precisa brilhar com mais intensidade, pois aquilo que temos a oferecer é aquilo que as pessoas sinceras estão buscando: amor, acolhimento, simplicidade, sinceridade, verdade. Se cumprirmos bem nosso papel, aquele que tem sede virá, e permanecerá

Culto dia 19 de Julho de 2015 – Pr. Evandro Dentee

evandro14-150x150

Nossa atitude diante das tribulações

Texto: Atos 27.1-44
Comentário: Desde sua conversão, o apóstolo Paulo teve uma vida repleta de sobressaltos. Não lhe faltaram tribulações, mas  determinado a cumprir a qualquer custo o seu chamado, nada o intimidava. Antes mesmo de subir para Jerusalém ele sabia que cadeias e tribulações o aguardavam (Atos 20.22-24). Em Jerusalém, então, depois de ser acusado de profanar o templo,  foi espancado, quase morto, preso e guardado sob escolta durante dois anos em Cesareia.  Tendo apelado a Cesar, finalmente foi embarcado em um navio que o levaria a Roma. (Atos 25.10-12 e 26.30-32) No capítulo 27 então, temos o relato dessa aventura, tão rica de detalhes, da qual queremos extrair algumas lições muito importantes para nossa vida: 1º)Devemos ser uma voz de ânimo, quando todos perdem a esperança: (v.20-22) A maioria das pessoas não está preparada para os dias difíceis e por isso, quando a tribulação vêm, elas se desesperam.    A exemplo de Paulo, nós devemos levar passar fé e ânimo. Precisamos aprender a preservar a paz no meio das tempestades e nos encorajar mutuamente (Sl.27.14, Jo 16.33, 2 Tm. 1.16); 2º) Nunca devemos perder a esperança, pois é Deus quem dá a última palavra: (v. 23-24, 34) Deus permite as tempestades, mas vai conosco no barco. Quando Deus tem um propósito em nossa vida Ele mesmo se empenhará para irá cumpri-lo e não nos deixará sem direção. (At. 23.11, 1 Pe. 5.10); 3º)Devemos sempre falar da confiança que temos em Deus: (v.25) Verbalizar a fé, agrada a Deus, fortalece o nosso próprio coração e passa ânimo e segurança aos que nos ouvem.  ( Is. 26.3-4, Sl.84.12, Sl.91.1-2);  4 º) Nosso testemunho de vida deve contagiar os outros: (v. 35-38) Precisamos dar o exemplo, ir a frente, demonstrar como se faz. Nossas ações tem o poder de mudar a atmosfera espiritual numa situação de desespero; 5º)Como Deus fala, assim acontece: (v. 22 e 44) Essa é a nossa grande segurança: Deus cumpre o que promete e Seu poder não mudou. (Is. 64.4).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º) Qual deve ser a conduta do cristão: Ignorar, negar, subestimar os problemas ou, dentro da gravidade que possuem, crer e agir conforme a Palavra de Deus?
2º) No sentido de levar ânimo às pessoas, em que área seu testemunho pode ser melhor?
3º)Por que é tão importante testemunhar daquilo que Deus faz em nossa vida?
4º)O que mais impactou você na mensagem ou no culto como um todo?

EVANGELISMO E VISÃO: Duas condições são essenciais para ver os milagres de Deus acontecendo: 1º)Que busquemos a revelação a respeito daquilo que Deus quer de nós; 2º)Que creiamos que Deus mesmo se empenhará  para cumprir Seu propósito conosco.  Imaginemos o impacto de uma Igreja onde todos estão empenhados em viver nessa dimensão.  Acontecerá como Jesus disse: “Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte’. (Mt.5.14).

Culto dia 12 de Julho de 2015 – Pr. Valdir Ewald

Pr. Valdir Ewald

Pr. Valdir Ewald

O andar do cristão


Texto: Efésios 5.15-21
Comentário: O cristão de  todas as épocas  é chamado para fazer a vontade de Deus.  O mundo, de uma forma ou de outra, sempre oferecerá resistência ao crente e, a grande dificuldade do nosso tempo, são as tantas distrações que tentam nos tirar o foco. Como filhos de Deus, possuímos uma posição e um chamado que são únicos e devemos fazer valer nossa condição. (Ef. 2.6, 4.1) A própria Igreja de Éfeso, conforme Ap. 2.1-7, mesmo fazendo tantas coisas elogiáveis, acabou perdendo sua essência. Assim, para que possamos andar em conformidade com a vontade de Deus, o texto nos dá três receitas importantes: 1º)O cuidado quanto ao nosso andar diário: (v.15) No contexto anterior percebemos que os efésios viviam na ignorância espiritual. Agora, conhecendo a verdade, não podiam mais ser desatentos, desleixados, viver de qualquer jeito.  Precisamos levar a nossa própria vida com “rédea curta”. (Ef. 4.22-24, 5.8) *A vida do cristão muda na medida que muda a sua rotina!; 2º)O cuidado quanto às oportunidades: (v.16) O tempo (chronos) é sempre o mesmo, mas o tempo de Deus  (kairós) é especial. As oportunidades são o tempo de Deus dentro do nosso tempo. Se descuidarmos, elas vão embora. (Ef. 1.10, Gl. 6.10, Cl.4.5). *As distrações nos roubam essa percepção. *Oportunidade, como se costuma dizer, “é um cavalo que passa encilhado”; 3º) O cuidado quanto à vontade de Deus: (v.17) Insensato é alguém sem juízo, “sem noção”. Como filhos de Deus, precisamos compreender o  que Deus quer de nós, permitindo que Ele aja em nossas circunstâncias e em nosso caráter. (Rm. 12.1-2, Cl. 1.9-11). *Para isso precisamos: a)ser cheios do Espirito (v.18); b) Deixar transbordar o Espírito no falar, no louvor, nas ações de graça (v.19-20); c)Sujeitar-se e servir mutua e reciprocamente. (v. 21, Fp. 2.1-5). * Igreja é a Comunidade do Espírito!

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)Fale de alguma coisa onde o seguir a Jesus mudou sua rotina diária.
2º)Que tipo de oportunidades Deus quer que aproveitemos? Você teve hoje alguma oportunidade?  Você a aproveitou o deixou-a passar?
3º)Fale de algo que você faz e que sente que é a vontade de Deus.
4º) O que evidencia que uma pessoa é cheia do Espírito Santo?

EVANGELISMO E VISÃO: Nesta semana faça o propósito de convidar alguém para a próxima reunião ou culto. Esteja atento em suas atitudes para dar sempre um bom testemunho, mas também esteja atento para as oportunidades que se abrirão para você testemunhar sua fé.  Viver conforme a vontade de Deus, significa também anunciar o Evangelho: E isto afirmo: aquele que semeia pouco,  pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará. (2 Co. 9.6)

Culto dia 05 de Julho de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Consolidando o nosso progresso na fé

Texto: 1 João 2.1-6
Comentário: Vimos nas duas mensagens anteriores do propósito de Deus em ter comunhão conosco. Para tanto é necessário que conheçamos a respeito da pessoa do Pai e do Filho e também da nossa condição de pecadores. O andar com Deus, envolve coerência com esse conhecimento. É o que trata o texto de hoje. O primeiro aspecto importante que queremos salientar é o fato de que nosso relacionamento com Deus, embora o padrão seja extremamente elevado, se baseia na segurança do Seu amor. Os versos 1 e 2 nos propõem uma vida sem pecado, contudo Deus não nos joga fora quando pecamos, mas nos oferece o perdão e a purificação. É com base nessa segurança que podemos consolidar nosso progresso na fé. Isso envolve três aspectos importantes:1º) Ajustar nossa vida ao padrão de Deus: (v.3-4) Hoje o mundo relativizou todos os conceitos, mas quem anda com Deus, deve obedecê-lo. Aquilo que Deus condena, sempre será condenado, pois Deus é imutável não somente nas suas promessas mas também no seu padrão moral; 2º) Ser aperfeiçoados no amor de Deus: (v.5) Uma obediência legalista leva a uma religiosidade hipócrita. Os fariseus cumpriam regras, mas seu coração era totalmente frio em relação aos seus semelhantes. (Mt. 23.1-4) Quando buscamos obedecer de coração, começamos a perceber a força do pecado, então vamos valorizar a obra de Cristo e ter mais compaixão uns dos outros; 3º) Fazer da imitação de Jesus o nosso grande alvo;(v.6)  Não se trata de querer repetir todos os seus milagres, mas de gradativamente deixar que o Espírito Santo imprima em nós o Seu caráter, transformando a essência do nosso coração. (Ez. 36.25-27). *Também nesse aspecto é essencial compreender a importância da Igreja, como Corpo, para que nos ajudemos mutuamente na busca desse ideal. (Hb. 10.19-25).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º) O que é relativizar? Como isso pode prejudicar  a nossa obediência a Deus?
2º) Por que um ambiente de amor é tão importante para o crescimento espiritual?
3º)Quem irá perseverar mais facilmente: Aquele que busca sinais ou aquele que busca a transformação do seu próprio coração?  Por quê?
4º)O que mais impactou você no último culto?

EVANGELISMO E VISÃO: O ser humano gosta de relativizar quando quer fugir de algum compromisso, mas quando busca soluções, pede respostas concretas. Deus não relativiza uma coisa nem outra: Na mesma medida que cobra obediência, garante Suas promessas. Mas daí é que vem o extraordinário amor de Deus: Para que possamos obedecê-Lo Ele mesmo nos dá o Seu Espírito e então quando ainda assim falhamos, nos oferece  perdão e  purificação pelo sangue de Jesus.  Se Evangelho é boa notícia, existe notícia melhor que essa? É isso que nos foi dado crer e anunciar ao mundo!

Culto dia 21 de Junho de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

A Revelação de Jesus Cristo

Texto: 1 João 1.1-4
Resumo da mensagem:  Essa carta de João às Igrejas, foi escrita lá pelo ano 85 d.C. Nesse período ele era um dos anciãos da Igreja em Éfeso.   Possuía mais ou menos essa mesma idade e,  Já velhinho, sua mensagem está bem filtrada e ele a concentra naquilo que é essencial: O amor. Porém, o amor do qual nos fala, depende de revelações que só podemos receber em Cristo. É disso que fala esse texto: I – A REVELAÇÃO DA PESSOA DE JESUS CRISTO: 1º) a)Ele é Deus: (V. 1, Fp. 2.5-11, Cl. 1.15-16, Hb.1.1-4) b) Ele é “o verbo da vida . Suas palavras são vida (Jo. 6.63,68, 7.46, Rm. 10.17, 1 Pe. 1.23); c)N’Ele está  “a vida eterna”: Nós só conhecemos a vida que morre. Foi Jesus veio revelar a vida eterna. A compreensão disso deve mudar nossa vida  ( Jo. 5.24, 17.3); II) OS MEIOS DA REVELAÇÃO:(V, 1-3) Existem meios extraordinários de revelação, como aconteceu com Paulo, Moisés e mesmo com João em Apocalipse.  Mas o canal normal da revelação é a intimidade.  Foi por esse canal que João recebeu a revelação da identidade de Jesus, provavelmente já antes da crucificação. (Verso 1).  Isso explica o tratamento diferente que Jesus deu a ele. (João 19.25-27, 2 Co. 3.18);III- OS PROPÓSITOS DA REVELAÇÃO: (v.3)a) A comunhão com o pai:  (João 14.23, 17.3, Mt.11.27). *Nunca podemos esquecer que o Pai é o alvo maior da nossa adoração (1 Co. 15.28); b)A comunhão com a Igreja: Não se concebe vida cristã fora da comunhão com o  corpo. ( 1 Co. 12.12-13)) *Não existe amor sem relacionamento (1 João 5.1-3); c) O Testemunho: (– Verso 2 e  3) *Temos uma tarefa a cumprir. O poder do testemunho depende do grau da nossa intimidade com o Pai e com o Filho. (Atos 4.12-13, 2 Coríntios 2.15); d)Uma alegria completa: (v.4) *Deus é a única fonte que pode nos dar a verdadeira alegria, por isso, só a encontraremos ao encontra-Lo.

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)É possível ser cristão sem compreender quem é Jesus?
2º)É concebível que alguém sabendo quem é Jesus, cultue ou adore outros nomes?
3º)Quais são os meios mais comuns de buscar  intimidade com o Pai e com o Filho?
4º)Qual é a importância da Igreja em sua vida?
5º)O que mais impactou você nessa mensagem?
EVANGELISMO:
A vida cristã exige prioridade para com as coisas de Deus. Crentes divididos não poderão cumprir plenamente o propósito de Deus para com suas vidas, e nunca serão pessoas realmente felizes.  Creia que na intimidade com Deus você irá possuir a vida abundante que Jesus prometeu e também produzirá muitos frutos (Jo. 10.10, 15.16).