Culto dia 11 de Outubro de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Vida verdadeiramente viva

Texto: Efésios 2.1-10
Comentário: O texto é muito claro no sentido de que não há vida verdadeira longe de Cristo. Se o homem não retornar ao propósito de Deus, está irremediavelmente perdido.  Na Parábola do Semeador (Mc. 4:1-9) das quatro sementes lançadas ao solo, somente uma frutificou. Assim, igualmente podemos perceber que há quatro tipos de pessoas no mundo: 1º)Os mortos-mortos: Aqueles que estão longe de Deus e optam por uma vida destrutiva (são um peso para si mesmos e para os outros); 2º)Os mortos-vivos: Aqueles que mesmo  à margem do plano de Deus,  optam por um estilo de vida construtiva. Fazem coisas boas, mas não possuem a vida de Deus, nem podem transmiti-la; 3º)Os vivos-mortos: Aqueles que aceitam o Evangelho, vão à Igreja, mas continuam vivendo somente para si mesmos. (Ao invés de ajudar a empurrar a roda, sentam sobre ela): 4º)Os vivos-vivos: Estes são o bom solo. Rendem-se completamente a Cristo e se deixam usar. (Realizam as obras de antemão preparadas para eles). Esse é o único estilo de vida que nos interessa, pois se Ele morreu por todos e isso nos inclui, não é justo, nem lógico que continuemos a viver apenas para nós mesmos. *Entenda que você é importante na vida de todas que o cercam: 1º)Os mortos-mortos, por que mesmo a pior pessoa aos nossos olhos, pode tornar-se nova criatura; 2º)os mortos-vivos, por que por melhores que pareçam ser, são igualmente pecadores carentes de salvação; 3º)os vivos-mortos, por que precisam ser despertados para o discipulado de Cristo; 4º)os vivos-vivos, por que afinal, por mais comprometidos que sejamos, precisamos uns dos outros para realizar a obra de Deus. (Ler 2 Co. 5.15-21).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)Algo o impactou de maneira especial nesta mensagem?
2º)O que você sonha apresentar a Jesus, como fruto da sua vida neste mundo?
3º)Comparando a Igreja com uma roda, qual é a importância das mutualidades, ou seja, dos tantos “uns aos outros” que o Novo Testamento fala?
4º)Um cristão que vive para si mesmo poderá ser realmente feliz? Por quê?
5º)Qual é sua maior motivação para seguir a Jesus?

EVANGELISMO E VISÃO:
Jesus disse que a seara é grande, mas os trabalhadores são poucos – (Lc. 10:2). Essa infelizmente é a realidade da Igreja diante do mundo. O trabalho é grande demais para poucos. A Igreja de Jesus é a Igreja dos discípulos. Todos, grandes e pequenos, velhos e moços devem dar sua contribuição. Juntos, com o esforço de todos, fixando  os olhos na colheita, o próprio trabalho pode se transformar em celebração. (Salmo 89.15-17)

Culto dia 13 de Setembro de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

O poder da humildade

Texto: 1 Pedro 5b-6.
Comentário: A humildade é  virtude fundamental do caráter cristão,  é  condição para a habitação do Espírito Santo e  é a essência do próprio amor. (Gl.5:22-23, 1 Co. 13:4-7, Is. 57:15). Entretanto o coração humano foi tomado pela soberba. A soberba está na origem da queda de Lúcifer e da queda do homem.  Por isso, temos na Bíblia tantos exemplos do seu poder destrutivo: Nabudonosor (Dn.4.29-32), Belzasar (Dn.5:1-5, 25-31), O rei Uzias (2 Cr.26:16-20), Miriam, irmã de Moisés (Nm. 12:1-16), Herodes (Atos 12:21-31). Por outro lado, temos tantos lindos exemplos de humildade e do quanto ela é apreciada por Deus: Isaías, quando teve uma visão do próprio Deus (Is.6:1-8), Daniel, quando entendeu que era o tempo da restauração de Jerusalém (Dn.9:1-3, 21-23), Jeremias, quando recebeu seu chamado  (Jr.1.1-10), Ezequias, quando Jerusalém foi cercado pelo exército assírio (2 Rs.19:1-7, 35-37) Davi, quando fugia de seu filho Absalão (2 Sm.16: 11-12). Em todas as situações citadas, podemos ver claramente que Deus exalta a humildade e abate a soberba. Por isso, nunca podemos perder de vista que o nosso viver é pela graça.  Não somos nada por nós mesmos. Portanto, que o nosso coração nunca se exalte, para que possamos correr e terminar bem a nossa carreira. (Pv. 29:23, Lc.10:17-18, Is. 46:4)

QUESTÕES PARA REFLEXÕES:
1º) Quais são alguns sintomas (atitudes) que denunciam que uma pessoa é soberba?
2º)Que emoções você sente quando está na companhia de uma pessoa humilde?
3º)Por que a humildade é uma virtude tão difícil de ser exercitada?
4º)Elogio: Importante dar e muito bom receber!  Mas como lidar bem  com o elogio?
5º)Algo importante sobre a mensagem ou sobre o tema que você quer compartilhar?

EVANGELISMO E VISÃO:
2 Coríntios 2:15, diz: “Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem”. Podemos pensar em muitos ingredientes desse perfume, mas difícil imaginá-lo sem a humildade.  Lembremos que não somente o nosso sucesso pessoal, mas também o sucesso do nosso evangelismo e discipulado está relacionado ao cheiro que exalamos.   O cristianismo é mais que doutrina, é mais que palavras.  Sejamos uma Igreja que impacta pela dependência de Deus e pela glória que tributamos a Ele por todas as conquistas.

Culto dia 23 de Agosto de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Resistindo ao espírito do anti-Cristo

Texto: 1 João 2.18-27
Comentário: A última hora, ou o fim dos tempos, começaram com a inauguração da era da graça (Atos 1.6-8). Ao mesmo tempo que o Evangelho é anunciado às nações e a Igreja se prepara para a volta de Jesus, satanás quer preparar o mundo  para a manifestação do anti-Cristo (2 Tes. 2.7-8). Assim, tanto a Igreja Primitiva quanto a Igreja contemporânea enfrentam uma luta semelhante. A nós, porém, cabe discernir o próprio tempo (Rm. 13.11). É disso que vamos tratar hoje: I – Os sinais no mundo: A instabilidade econômica, a insegurança social, a corrupção, o terrorismo, a decadência moral, as alterações climáticas, levarão o mundo a desejar um governo global. Quando nada mais funcionar as pessoas irão clamar por um “herói” e esse “herói”, será o anti-Cristo; II – Os sinais na Igreja: Apostasia é a negação da fé (v.19). a)Há um espírito de infidelidade e de quebra de alianças. As Igrejas novas e renovadas estão sendo seduzidas por sinais, novas revelações e culto a líderes.(Mt. 14.11, Ap. 13.13-15) As Igrejas tradicionais, estão sendo tomadas pelo liberalismo teológico e pelo humanismo, preocupando-se mais com questões sociais e ecologia do que com a salvação; IIIº) – As nossas defesas: a)Permanecer na Palavra revelada, pois é a nossa segurança (v. 20-23, Gl.1.6-8), b)Preservar a mensagem da salvação eterna, pois é a nossa grande promessa (v.25-28), c)Perseverar na prática da justiça, pois é a força do nosso testemunho,  a prova da nossa entrega e  a semente do nosso galardão(v. 29, Ap.22.11).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º) O que você sente ao considerar que podemos estar próximos do fim?
2º)Na sua opinião a maior ameaça à Igreja vem de dentro ou de fora? Por quê?
3º)Quais as consequências que a quebra de alianças produz na vida dos cristãos?
4º)Galardão e justiça: O que essas palavras te dizem?
5º)Algo especial que você gostaria de compartilhar sobre o tema?

EVANGELISMO E VISÃO:
Para o verdadeiro cristão, pouco importa se estamos no início, no meio ou no fim do fim. Há uma mensagem que precisa ser ouvida, crida, vivida e anunciada da qual depende a salvação de todos, em todos os tempos e circunstâncias. Então, enquanto tivermos vida, vamos vive-la para Deus, anunciando a mundo que “Jesus é a opção da vida! Aleluia!!!

Culto dia 02 de Agosto de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Edificando a família de Deus

Texto: 1 João 2.12-14
Comentário: O tema central da carta da primeira carta de João é o amor. Não um amor contemplativo, mas um amor manifestado através de atitudes práticas: “Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade”.(João 3.18) Por isso, ele se dirige à Igreja como sendo uma família, o que de fato somos. (Ef. 2.19) Ser família, traz algumas implicações importantes: 1º)A necessidade de crescimento: A família é o lugar que Deus ordenou para que o ser humano se multiplicasse. Na Palavra de Deus, filhos sempre são uma benção e a família de Deus deve se empenhar para ter muitos filhos espirituais. (Sl. 127.3-5, Rm. 8.29, Lc. 14.23); 2º)A necessidade de preservar e transmitir a nossa genética espiritual: Num mundo que está negando todos os valores cristãos, tanto na família biológica, quanto na Igreja, temos a responsabilidade de preservar e passar às próximas gerações a mensagem pura do Evangelho.  (Fp.2.14-16); 3º)A necessidade de criar um ambiente impregnado da presença de Deus: A Igreja é a nossa segunda família e para muitos, até mesmo a primeira. (Sl. 68.6) Vivendo então como uma grande família, devemos fazer dela um lugar de amor, espontaneidade, acolhimento, onde todos possam se sentir felizes e úteis. (Ef. 4.15-15, 1 Co.12.25-26)
4º)A necessidade de que cada um conheça o seu  lugar:  a)Os filhinhos, recém convertidos, devem se alegrar pelo perdão dos seus pecados e pela certeza do amor do pai; b)os jovens devem se alegrar pelo fato de já terem conquistado vitórias sobre o pecado e o Diabo com isso já terem adquirido força espiritual; c)os pais devem dar segurança e direção aos jovens e filhinhos, pois já estão maduros e aptos para liderar e cuidar de vidas.  E todos, como filhos de Deus, devem continuar crescendo.

QUESTÕES PARA RELFEXÃO:
1º)Diante das tantas mudanças que estão acontecendo na sociedade, como você imagina as famílias cristãs e as Igrejas daqui há vinte anos?
2º)Como uma Igreja pode crescer preservando  a qualidade?
3º)Você tem se sentido em  casa na Igreja? Qual é a sua contribuição para que a Igreja seja cada vez mais um lugar de acolhimento e liberdade no Espírito?
4º)Você se vê como filhinho, jovem ou pai? Essa condição é coerente com o seu tempo de vida cristã?

EVANGELISMO E VISÃO: Cada vez fica mais evidente que a Igreja em Células é a visão correta para enfrentar os desafios da nossa época. Uma Igreja onde as  pessoas somente se  encontram eventualmente, sem vínculos profundos de relacionamento, não pode alcançar o seu propósito bíblico. Ser Igreja é ser família e ser família é  ter uma vida em comum. E também como como acontece numa família saudável, todo filhinho deve crescer para tornar um jovem saudável, todo jovem deve preparar-se para a paternidade espiritual e todo pai espiritual deve viver sacrificialmente por sua família.

Culto dia 26 de Julho de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Uma nova construção

Texto: 1 João 2.7-11
Comentário: Nesta carta, o apóstolo João usa frequentemente as figuras de luz e trevas, como realidades que se excluem mutuamente. Assim, se queremos ter e preservar a comunhão com Deus o problema do pecado precisará ser constantemente tratado. (1 Jo. 1.8 – 2.2). Quando nos entregamos a Jesus, nossa comunhão com o Pai e restabelecida –(Rm 5.1).  Entretanto, a conversão é apenas o estágio inicial de uma nova construção. Em cristo, legalmente já somos luz, mas na prática precisamos fazer valer essa nova realidade (Ef. 5.8). O texto fala de três princípios essenciais para que esse projeto tenha sucesso em nossa vida: 1º)O princípio da permanência:  (v.1) Quem abandona a Palavra, abandona a Cristo. Os fundamentos de uma casa não podem ser removidos. (Ef.2.18-20) *Precisamos cuidar com os pequenos desvios porque somados e repetidos, podem nos levar ao naufrágio espiritual. Entenda que o novo mandamento será sempre o velho mandamento renovado em nosso espírito; 2º)O princípio da preponderância: (v.8) À medida que avançamos na vida com Cristo, a luz deverá preponderar sobre as trevas. Curados espiritualmente, precisamos viver como aleijados que agora andam e como cegos que agora vêem. (Jo 5.1-8, 9.1-12) A identidade do cristão nunca pode ser determinada apenas pelo “não ser”, porém muito mais pelo “novo ser”. (Gl. 1.23); 3º)O princípio da direção: (v. 9-11)*Andar na luz é o andar em comunhão com Deus e na direção das pessoas (Lc. 17.21) Se desistirmos das pessoas, desistiremos do Reino e do projeto de Deus para conosco. (Mt. 5.16).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)Quais alguns cuidados constantes que devemos ter para não sair dos fundamentos?
2º)Após a conversão, muitos se fixam demais no “não ser”, o que pode criar um vácuo existencial. Você passou ou está passando por isso? Como superar essa fase?
3º)Por que o ódio tem esse poder tão grande de cegar as pessoas?  Você já enfrentou ou está enfrentado lutas nesse sentido?  Como superar os sentimentos negativos?
4º)Se você estivesse procurando uma Igreja, quais as características que você mais gostaria de encontrar nela?

IV – EVANELISMO E VISÃO: Vivemos na era do descartável, onde cada vez mais as pessoas vão se tornando meras mercadorias. Assim, é exatamente neste tempo que a Igreja precisa brilhar com mais intensidade, pois aquilo que temos a oferecer é aquilo que as pessoas sinceras estão buscando: amor, acolhimento, simplicidade, sinceridade, verdade. Se cumprirmos bem nosso papel, aquele que tem sede virá, e permanecerá

Culto dia 05 de Julho de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Consolidando o nosso progresso na fé

Texto: 1 João 2.1-6
Comentário: Vimos nas duas mensagens anteriores do propósito de Deus em ter comunhão conosco. Para tanto é necessário que conheçamos a respeito da pessoa do Pai e do Filho e também da nossa condição de pecadores. O andar com Deus, envolve coerência com esse conhecimento. É o que trata o texto de hoje. O primeiro aspecto importante que queremos salientar é o fato de que nosso relacionamento com Deus, embora o padrão seja extremamente elevado, se baseia na segurança do Seu amor. Os versos 1 e 2 nos propõem uma vida sem pecado, contudo Deus não nos joga fora quando pecamos, mas nos oferece o perdão e a purificação. É com base nessa segurança que podemos consolidar nosso progresso na fé. Isso envolve três aspectos importantes:1º) Ajustar nossa vida ao padrão de Deus: (v.3-4) Hoje o mundo relativizou todos os conceitos, mas quem anda com Deus, deve obedecê-lo. Aquilo que Deus condena, sempre será condenado, pois Deus é imutável não somente nas suas promessas mas também no seu padrão moral; 2º) Ser aperfeiçoados no amor de Deus: (v.5) Uma obediência legalista leva a uma religiosidade hipócrita. Os fariseus cumpriam regras, mas seu coração era totalmente frio em relação aos seus semelhantes. (Mt. 23.1-4) Quando buscamos obedecer de coração, começamos a perceber a força do pecado, então vamos valorizar a obra de Cristo e ter mais compaixão uns dos outros; 3º) Fazer da imitação de Jesus o nosso grande alvo;(v.6)  Não se trata de querer repetir todos os seus milagres, mas de gradativamente deixar que o Espírito Santo imprima em nós o Seu caráter, transformando a essência do nosso coração. (Ez. 36.25-27). *Também nesse aspecto é essencial compreender a importância da Igreja, como Corpo, para que nos ajudemos mutuamente na busca desse ideal. (Hb. 10.19-25).

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º) O que é relativizar? Como isso pode prejudicar  a nossa obediência a Deus?
2º) Por que um ambiente de amor é tão importante para o crescimento espiritual?
3º)Quem irá perseverar mais facilmente: Aquele que busca sinais ou aquele que busca a transformação do seu próprio coração?  Por quê?
4º)O que mais impactou você no último culto?

EVANGELISMO E VISÃO: O ser humano gosta de relativizar quando quer fugir de algum compromisso, mas quando busca soluções, pede respostas concretas. Deus não relativiza uma coisa nem outra: Na mesma medida que cobra obediência, garante Suas promessas. Mas daí é que vem o extraordinário amor de Deus: Para que possamos obedecê-Lo Ele mesmo nos dá o Seu Espírito e então quando ainda assim falhamos, nos oferece  perdão e  purificação pelo sangue de Jesus.  Se Evangelho é boa notícia, existe notícia melhor que essa? É isso que nos foi dado crer e anunciar ao mundo!

Culto dia 21 de Junho de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

A Revelação de Jesus Cristo

Texto: 1 João 1.1-4
Resumo da mensagem:  Essa carta de João às Igrejas, foi escrita lá pelo ano 85 d.C. Nesse período ele era um dos anciãos da Igreja em Éfeso.   Possuía mais ou menos essa mesma idade e,  Já velhinho, sua mensagem está bem filtrada e ele a concentra naquilo que é essencial: O amor. Porém, o amor do qual nos fala, depende de revelações que só podemos receber em Cristo. É disso que fala esse texto: I – A REVELAÇÃO DA PESSOA DE JESUS CRISTO: 1º) a)Ele é Deus: (V. 1, Fp. 2.5-11, Cl. 1.15-16, Hb.1.1-4) b) Ele é “o verbo da vida . Suas palavras são vida (Jo. 6.63,68, 7.46, Rm. 10.17, 1 Pe. 1.23); c)N’Ele está  “a vida eterna”: Nós só conhecemos a vida que morre. Foi Jesus veio revelar a vida eterna. A compreensão disso deve mudar nossa vida  ( Jo. 5.24, 17.3); II) OS MEIOS DA REVELAÇÃO:(V, 1-3) Existem meios extraordinários de revelação, como aconteceu com Paulo, Moisés e mesmo com João em Apocalipse.  Mas o canal normal da revelação é a intimidade.  Foi por esse canal que João recebeu a revelação da identidade de Jesus, provavelmente já antes da crucificação. (Verso 1).  Isso explica o tratamento diferente que Jesus deu a ele. (João 19.25-27, 2 Co. 3.18);III- OS PROPÓSITOS DA REVELAÇÃO: (v.3)a) A comunhão com o pai:  (João 14.23, 17.3, Mt.11.27). *Nunca podemos esquecer que o Pai é o alvo maior da nossa adoração (1 Co. 15.28); b)A comunhão com a Igreja: Não se concebe vida cristã fora da comunhão com o  corpo. ( 1 Co. 12.12-13)) *Não existe amor sem relacionamento (1 João 5.1-3); c) O Testemunho: (– Verso 2 e  3) *Temos uma tarefa a cumprir. O poder do testemunho depende do grau da nossa intimidade com o Pai e com o Filho. (Atos 4.12-13, 2 Coríntios 2.15); d)Uma alegria completa: (v.4) *Deus é a única fonte que pode nos dar a verdadeira alegria, por isso, só a encontraremos ao encontra-Lo.

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)É possível ser cristão sem compreender quem é Jesus?
2º)É concebível que alguém sabendo quem é Jesus, cultue ou adore outros nomes?
3º)Quais são os meios mais comuns de buscar  intimidade com o Pai e com o Filho?
4º)Qual é a importância da Igreja em sua vida?
5º)O que mais impactou você nessa mensagem?
EVANGELISMO:
A vida cristã exige prioridade para com as coisas de Deus. Crentes divididos não poderão cumprir plenamente o propósito de Deus para com suas vidas, e nunca serão pessoas realmente felizes.  Creia que na intimidade com Deus você irá possuir a vida abundante que Jesus prometeu e também produzirá muitos frutos (Jo. 10.10, 15.16).

Culto dia 07 de Junho de 2015 – Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Pr. Armando Castoldi

Princípios básicos do Reino de Deus.


Texto: Lucas 14.1-24
Comentário: À medida que o ministério de Jesus avançava, o confronto com os líderes religiosos dos judeus ia se tornando inevitável.  Sua  mensagem a respeito do Reino de Deus era vista como uma ameaça à ordem religiosa estabelecida.  Jesus já não fugia do confronto, mas aproveitava essas oportunidades para revelar exatamente as diferenças entre aquilo que os judeus entendiam como Reino de Deus e aquilo que Ele, como messias, estava anunciando. Vejamos algumas dessas questões: I – A respeito da prática de vida no Reino: (v.1-6). Para os judeus, o Reino de Deus era um amontoado de regras. Jesus demonstra que a vida do Reino é relacionamento com Deus. *A lição que Jesus passa ao curar o enfermo é que para Deus o homem era mais importante que o sábado. (Mc. 2.27, Jo. 5.17) *Quando amamos a Deus acima de tudo, passamos a conduzir  nossa vida por critérios e não por regras. (Ef. 5.18-21); II – A respeito da nossa posição no Reino: (V.7-11) Os líderes religiosos achavam que o Reino lhes  pertencia e que podiam ditar  as regras. (Mt. 23.1-3) Jesus declara  que  Deus é o “dono da festa” e Ele é quem determina tudo, inclusive o lugar de cada um. Na verdade eles já haviam abdicado do Reino. (1Sm. 8.1-9)*No reino, todos são apenas convidados; III – A respeito da dimensão do Reino:  (v. 12-14 e 23) Os judeus viam o reino como um círculo fechado, onde eles se ocupavam em agradar uns aos outros. Jesus mostra que o Reino é uma corrente. O Reino é dinâmico, como o fermento, e o  seu limite é mundo. (Mt. 13.33, 38) Dessa compreensão, decorre a nossa missão; IV – A respeito das condições para pertencer ao Reino: (v. 16-24) Os judeus entendiam que a simples  descendência dos patriarcas os tornavam filhos do Reino, porém Jesus deixa claro que a  posse do Reino depende de uma resposta pessoal.  *A graça não tolera desculpas: Nem do filho de Abraão, nem do filho do cristão!

QUESTÕES PARA REFLEXÃO:
1º)Quais as diferença entre um cristão legalista e um cristão cheio Espírito Santo?
2º)Por que a humildade é uma virtude tão importante no Reino de Deus?
3º)O que acontece com uma Igreja, quando ela se torna um círculo fechado?
4º)Qual a reação de Deus às nossas desculpas?
5º)Do ponto de vista do Reino de Deus, qual é grande missão da Igreja?

EVANGELISMO E VISÃO: Um grande princípio do Reino é: “De graça recebestes, de graça dai”. (Mt. 10.8b) Quando compreendemos esse princípio, vamos nos tornar menos egoístas e carentes; menos preocupados em agradar uns aos outros, e mais preocupados em juntar forças, para juntos cumprirmos nossa missão de encher a casa de convidados para a grande ceia que o Pai já preparou.